fbpx Avanço no tratamento do câncer de mama durante a pandemia - SBM

Avanço no tratamento do câncer de mama durante a pandemia

segunda-feira | 9 de novembro de 2020

Estudo mostra que a radioterapia durante a cirurgia é tão segura quanto à convencional e ainda evita deslocamento durante a pandemia

A crise provocada pela pandemia de Covid-19 possibilitou mais um avanço para o tratamento do câncer de mama. Um recente estudo, chamado TARGIT-A, publicado por um grupo internacional de pesquisadores, mostrou que a radioterapia intraoperatória (realizada já no ato da cirurgia) em mulheres em casos iniciais (tumores menores que 3 cm) pode oferecer a mesma segurança que a radioterapia convencional, feita entre duas e quatro semanas após a cirurgia. E mais, pode proteger essas mulheres ao diminuir os deslocamentos, que são necessários logo após a operação, mas ao mesmo tempo inseguros por conta da pandemia.

Os resultados do estudo também mostraram que o controle loco regional do câncer, assim como a sobrevivência em longo tempo no grupo de mulheres que fizeram a radioterapia intraoperatória foram tão bons quanto da radioterapia convencional.

Para Dr Ruffo de Freitas Junior, Membro Titular da Sociedade Brasileira de Mastologia, o estudo surge em um momento extremamente importante e já está sendo discutido com as pacientes brasileiras nessa fase de pandemia. “As mais favorecidas são as mulheres acima de 50 anos que poderão fazer seu tratamento de câncer com segurança, correndo menos risco também em relação à pandemia`”, explica o médico.

A radioterapia intraoperatória foi realizada em 32 centros especializados distribuído em 10 países, com 2.298 mulheres com 45 anos ou mais com câncer de mama inicial, de até 3,5 cm de tamanho. O TARGIT-A apresentou longa eficácia e segurança no controle do câncer de mama inicial e foi discutido com pacientes quando a cirurgia conservadora da mama é planejada.