fbpx Novo medicamento contra câncer de mama aumenta taxas de sobrevivência - Sociedade Brasileira de Mastologia: SBMSociedade Brasileira de Mastologia: SBM

Novo medicamento contra câncer de mama aumenta taxas de sobrevivência

terça-feira | 4 de junho de 2019

Cientistas anunciaram na reunião anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica – ASCO, em Chicago, um novo medicamento que melhora drasticamente as taxas de sobrevivência de mulheres jovens acometidas pelo câncer de mama metastático. Os resultados dos testes clínicos mostraram que a adição de um medicamento conhecido como inibidor de ciclinas no tratamento elevou as taxas de sobrevivência a 70% contra 46% das mulheres que receberam o tratamento padrão.

As mulheres que receberam Ribociclibe tiveram uma sobrevida livre de progressão de 23,8 meses versus 13 meses para as mulheres que receberam o placebo. Os pesquisadores observaram que, após 42 meses de acompanhamento para pacientes que receberam Ribociclibe, a taxa de sobrevivência foi de 70% quando administrada com terapia endócrina, em comparação com 46% quando administrada com placebo. No geral, isso representou uma redução relativa de 29% no risco de morte.

Além disso, a taxa de sobrevida foi de 71% e 70% para mulheres que tomaram Ribociclibe em combinação com Tamoxifeno ou inibidor de Aromatase não esteroidal, respectivamente, comparado com uma taxa de sobrevivência de 55% e 43%, respectivamente, para mulheres que receberam placebo em combinação com inibidores de Tamoxifeno ou Aromatase sozinhos. O uso de terapia pós-tratamento foi equilibrado entre os braços de tratamento – 68,9% no braço do Ribociclibe e 73,2% no braço do placebo.

Entenda a pesquisa

O estudo internacional MONALEESA-7 randomizado fase III constatou que a adição de Ribociclibe à terapia endócrina padrão de tratamento melhorou significativamente a sobrevida global de mulheres na pré-menopausa com câncer de mama HER2-negativo, positivo para receptor hormonal (HR), comparado com terapia endócrina sozinho.

Após 42 meses de acompanhamento, a taxa de sobrevivência foi de 70% para as mulheres tratadas com a terapia combinada, em comparação com 46% para as mulheres que receberam apenas terapia endócrina. O estudo foi apresentado pela Dra. Sara A. Hurvitz, diretora do Programa de Pesquisa Clínica em Câncer de Mama na Universidade da Califórnia, Los Angeles Jonsson Comprehensive Cancer Center.

“Este é o primeiro estudo que mostra melhor sobrevida para qualquer terapia direcionada quando usada com terapia endócrina como tratamento de primeira linha para o câncer de mama avançado”, disse Sara A. Hurvitz. O câncer de mama avançado é menos comum em mulheres na pré-menopausa do que em mulheres mais velhas, mas a incidência está aumentando.

Nos Estados Unidos, em mulheres de 20 a 39 anos, a incidência de câncer de mama avançado aumentou 2% ao ano entre 1978 e 2008, de acordo com um relatório de Johnson e colaboradores no JAMA. Em julho de 2018, a Food and Drug Administration dos EUA aprovou a indicação expandida do ribociclibe em combinação com um inibidor de aromatase para incluir mulheres pré e perimenopausadas com câncer de mama metastático ou avançado, positivo para HER2, negativo para HER2.

Sobre o medicamento – MONALEESA-7

MONALEESA-7 é o primeiro ensaio a se concentrar exclusivamente em mulheres com menos de 59 anos de idade que estavam na pré-menopausa e tinham câncer de mama avançado para o qual não haviam recebido terapia endócrina prévia.

Investigadores designaram aleatoriamente mulheres para receber tratamento com ribociclibe oral ou um placebo. Todas as mulheres inscritas também receberam goserelina, como terapia endócrina injetável, e uma das três outras terapias: os inibidores da aromatase não-esteroidais letrozol ou anastrozol, ou tamoxifeno.

Um total de 672 mulheres foi incluído no estudo. Após um acompanhamento médio de 34,6 meses, 173 (26%) ainda estavam em tratamento, com 116 (35%) das mulheres ainda recebendo ribociclib e 57 (17%) ainda recebendo placebo. A sobrevida global foi avaliada após 192 mortes (83 no braço do ribociclibe, 109 no braço do placebo).

Próximos passos

Os pesquisadores estão fazendo análises dos resultados relatados pelo paciente, bem como subanálises dos achados clínicos, incluindo a observação de biomarcadores e do DNA tumoral circulante que podem ajudá-los a determinar quais mulheres podem se beneficiar mais com o ribociclibe. Os pesquisadores também estão estudando o uso de ribociclibe em mulheres e homens com câncer de mama HER2 negativo, HR-positivo e HER2 em estágio inicial, em combinação com terapia endócrina e outras indicações de câncer.

Fonte: The ASCO Post