Dores mamárias podem ser confundidas com câncer de mama

quarta-feira | 21 de março de 2018

Mastalgia é o nome dado às dores mamárias que são comuns entre as mulheres, mas muitas desconhecem as suas causas. A mastalgia atinge cerca de 70% das mulheres, sem restrição de idade e, na maioria dos casos, as dores não representam nada grave. A recomendação da SBM é buscar uma consulta com o mastologista. Para muitas mulheres, as dores são confundidas com câncer de mama.

São três as definições de mastalgias:

  • Clínica, que geralmente acontece no período menstrual, durando sete dias e podendo piorar nos dias que antecedem a menstruação.
  • Acíclica, que pode ser constante ou intermitente, é mais comum no período da menopausa e pode estar relacionada aos quadros de inflamação das mamas, algum trauma, cisto mamário ou à gravidez.
  • Extramamária, que tem relação com a nevralgia intercostal, contratura muscular, artrite, fibromialgia, entre outras. Pode ter origem na parede torácica, e comumente a paciente relata que sente dor no início da mama. Elas são denominadas conforme a intensidade e os sintomas mais leves não têm interferência na vida da mulher. A dor severa pode se estender pela axila e pelo braço, tornando-se um empecilho nas tarefas do dia a dia.

Essas dores são relacionadas ao câncer de mama, mas em 90% dos casos a doença é silenciosa, ou seja, não causa dor. Isso não significa que um médico não deve ser procurado, os especialistas recomendam que esta seja a primeira atitude a ser tomada pelas mulheres caso sinta dor no peito.

Quando a consulta é marcada, muitas vezes o esclarecimento sobre a dor já é o suficiente para o alívio dos sintomas. Em outros, é necessário realizar exames complementares, como a mamografia e a ultrassonografia. Caso a mastalgia não tenha seus sintomas aliviados por meio da orientação verbal do médico, ele pode prescrever que a mulher tome anti-inflamatórios não-hormonais ou a prática de tratamentos de fisioterapia e acupuntura, que ajudam a amenizar a dor.